Fadiga na depressão
  • Causas da fadiga na depressão
  • Complicações
  • Gestão
  • Resumo

A depressão pode causar fadiga severa e tornar as atividades mais simples, como sair da cama, muito difíceis de gerenciar.

De acordo com um relatório de 2018, a fadiga  afeta mais de 90%  das pessoas com transtorno depressivo grave.

Neste artigo, conheça a ligação entre depressão e fadiga, e obtenha algumas dicas de como lidar.

O que causa fadiga na depressão?

Fadiga é um sintoma comum de depressão.

Pessoas com depressão são mais propensas a sentir fadiga, e a fadiga crônica pode aumentar o risco de depressão. Essa relação bidirecional cria um ciclo que pode ser difícil de quebrar.

As causas potenciais de fadiga da depressão incluem:

  • problemas de sono
  • Dieta
  • Stress
  • medicamentos, incluindo alguns para tratar a depressão

Discutimos cada causa com mais detalhes abaixo.

Problemas de sono

O sono é essencial para regenerar o corpo e repor a energia. A falta de sono sozinha pode não causar depressão, mas aumenta o risco e pode piorar os sintomas.

Mesmo que uma pessoa com depressão esteja dormindo o suficiente, ela pode não acordar se sentindo revigorada. Pessoas com depressão geralmente têm uma qualidade de sono menor do que aquelas sem essa condição.

Pesquisas sugerem que muitas pessoas com depressão e outras condições de saúde mental,  como  transtorno bipolar, experimentam tanto  insônia  quanto hipersônia.

Insônia significa ter problemas para dormir ou dormir. Hipersônia refere-se à sonolência excessiva.

Apneia obstrutiva do sono é outra desordem do sono que tem ligações com a depressão. Um  estudo de 2015 descobriu que a depressão é comum em pessoas com apneia do sono e que se relaciona com a gravidade da apneia do sono.

Além disso, o estudo constatou que o tratamento da apneia do sono melhorou os sintomas depressivos.

Dieta

Os pesquisadores há muito especulam se a dieta afeta a saúde mental. Uma metanálise de 2018  analisou vários estudos que investigam a ligação entre dieta e risco de depressão.

O relatório encontrou algumas evidências de que dietas que incluem mais alimentos anti-inflamatórios podem diminuir o risco de depressão de algumas pessoas. No entanto, mais pesquisas são necessárias para confirmar esses achados.

Uma segunda meta-análise  também associou padrões alimentares específicos com um risco aumentado de depressão. Em particular, os pesquisadores descobriram que dietas de estilo ocidental contendo carnes vermelhas e processadas, grãos refinados, doces, laticínios com alto teor de gordura e outros alimentos não saudáveis podem aumentar o risco de sintomas de depressão em algumas pessoas.

Como a dieta afeta a depressão?

Stress

O estresse pode afetar os níveis de  serotonina  e dopamina. Estes são neurotransmissores no cérebro que desempenham um papel essencial na regulação do humor e da energia.

Pesquisas indicam que eventos de vida estressantes podem aumentar significativamente o risco de uma pessoa desenvolver transtorno depressivo grave.

Esses eventos estressantes da vida podem incluir o fim de um relacionamento ou amizade próxima, a morte de um ente querido, perda financeira significativa, uma mudança de emprego e eventos relacionados à saúde, como um diagnóstico de câncer.

A mesma pesquisa sugere que o estresse também pode causar inflamação  no corpo, o que pode levar à hipersônia e fadiga. Também pode levar uma pessoa a se retirar das atividades sociais e ter dificuldade em pensar claramente.

Medicamentos

Os antidepressivos funcionam agindo nos neurotransmissores do cérebro para ajudá-los a regular o humor de uma pessoa de forma mais eficaz. Alguns antidepressivos, no entanto, podem causar fadiga significativa.

Complicações

A fadiga crônica pode levar a depressão mais severa e aumento dos custos médicos, de acordo com um estudo de 2015. O estudo entrevistou 1.982 pessoas com depressão, das quais 653 apresentaram fadiga significativa.

As pessoas com fadiga apresentaram maior gravidade de depressão, dor, problemas de sono e ansiedade  do que aquelas sem fadiga. Eles também relataram o uso de mais medicamentos, e seu status socioeconômico parecia ser menor.

Como lidar com isso

As maneiras de ajudar a gerenciar a fadiga da depressão incluem:

Falando com um médico.

A melhor maneira de lidar com depressão e fadiga é falar com um médico, se possível. Enquanto outros métodos de enfrentamento podem ajudar, o diagnóstico e o tratamento adequados são geralmente essenciais.

Um médico também pode ajudar a determinar se a fadiga é devido a outra condição médica ou se é um efeito colateral de medicamentos antidepressivos.

Se a medicação for a fonte de fadiga, mudar para outro antidepressivo pode ajudar. O médico também pode recomendar psicoterapia.

Exercício

Ser ativo pode reduzir a fadiga promovendo um sono melhor. Uma meta-análise  descobriu que fazer mais de 20 minutos de exercício de intensidade baixa a moderada pode aumentar a energia e reduzir a fadiga.

Atualmente, as diretrizes de atividade física nos Estados Unidos recomendam 150 minutos  de exercício de intensidade moderada por semana para adultos. Uma pessoa poderia dividir isso em, por exemplo, 15 sessões de 10 minutos por semana ou 30 minutos em 5 dias da semana.

Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) instam as pessoas a seguir essas diretrizes na medida do possível. Eles também recomendam fazer exercícios que fortaleçam os músculos em 2 dias  a cada semana.

Melhorando a qualidade do sono

Praticar uma boa higiene do sono pode ajudar uma pessoa a controlar a fadiga da depressão. Uma boa higiene do sono significa colocar certas práticas no lugar para promover o sono de qualidade.

Hábitos úteis incluem:

  • evitando cafeína e álcool perto da hora de dormir
  • limitando cochilos diurnos
  • abstendo-se de comer refeições pesadas muito perto da hora de dormir
  • indo para a cama e acordar ao mesmo tempo todos os dias
  • manter dispositivos eletrônicos fora do quarto
  • exercitando-se regularmente

Comendo uma dieta equilibrada

A baixa motivação e a falta de apetite podem tornar desafiador comer bem. No entanto, uma alta ingestão de alimentos processados e alimentos com gordura adicionada e açúcar pode piorar os sintomas, segundo especialistas.

Comer alimentos que a pesquisa tem associado à regulação do humor  e ao aumento dos níveis de energia pode ajudar a reduzir a fadiga. Alimentos que podem ajudar incluem:

  • frutas e legumes
  • chá verde
  • Azeite
  • Louco
  • Peixe
  • grãos integrais

Alimentos para evitar ou comer com moderação incluem:

  • alimentos processados
  • alimentos e bebidas com açúcares adicionados
  • alimentos com gorduras saturadas
  • carne vermelha
  • carnes processadas
  • carboidratos processados

Alimentos frescos que são ricos em antioxidantes podem não apenas impulsionar a saúde física de uma pessoa, mas também reduzir o risco de depressão.

Ansiedade e depressão ocorrem frequentemente juntos. Saiba mais sobre alimentos que podem ajudar a reduzir a ansiedade.

Resumo

Pessoas que sofrem de fadiga devido à depressão devem falar com seu médico.

A fadiga não tratada pode levar a várias complicações, incluindo a retirada de compromissos sociais e de trabalho.

Médicos podem ajudar a tratar tanto a depressão quanto a fadiga. Eles também podem ajudar uma pessoa a fazer mudanças no estilo de vida para reduzir seus sintomas.

Leave a Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.